Guarda apreende carro clonado que pode ter sido usado em crimes na região de Jundiaí

A Guarda Municipal apreendeu um carro clonado em Jundiaí (SP) suspeito de ter sido usado em vários crimes na região.

O veículo foi identificado pelo sistema de monitoramento da GM na Rodovia Geraldo Dias, no bairro Vila Marlene. Dois suspeitos tentaram fugir, mas foram detidos.

A vítima que teve o carro clonado é de São Paulo e disse ter recebido multas de trânsito de várias cidades nos últimos meses.

Segundo a Polícia Civil, os dois homens detidos são suspeitos de tentativa de latrocínio, que é roubo seguido de morte. A suspeita é que eles façam parte de uma quadrilha de roubo de cargas na região de Jundiaí.

Fonte: G1

Três homens são presos após desvio de mais de 74 toneladas de farelo de soja ser descoberto em Teodoro Sampaio

Um esquema de desvio de mais de 74 toneladas de farelo de soja foi descoberto pelas polícias Civil e Militar de Teodoro Sampaio, neste domingo (14), após uma denúncia anônima. A ação, registrada como furto, se deu em um galpão na Rodovia General Euclides de Oliveira Figueiredo (SP-563) e ainda resultou na prisão de três homens, de 40, 46 e 47 anos, conforme informações da Polícia Civil ao G1.

A polícia estima o valor da carga em aproximadamente R$ 100 mil.

Uma denúncia via Centro de Operações da Polícia Militar (Copom) indicava que dois caminhões bitrens descarregavam uma mercadoria furtada em um barracão localizado na SP-563, próximo à entrada de Teodoro Sampaio.

A corporação seguiu ao local e verificou que havia um caminhão trator, com placas de Adolfo (RS), com um bitrem graneleiro engatado e carregado, bem como, havia outro caminhão dentro do galpão, com identificação de Antônio Prado (RS), em processo de descarregamento de farelo de soja tostada.

Os policiais foram recepcionados por um comerciante, morador de Teodoro Sampaio. O homem foi questionado sobre a carga que estava sendo descarregada, bem como sobre a nota fiscal do produto, e este informou à PM o material não era de sua propriedade. Ele ainda declarou que alugava uma parte do galpão a um rapaz, proprietário de uma empresa de transportes, alugava outra parte do espaço, que era o ponto onde o caminhão estava descarregando o produto.

Conforme informou ao G1 a Polícia Civil, enquanto os policiais conversavam com o comerciante, o proprietário da empresa de transporte compareceu ao local e informou que a carga era sua, mas que a matriz de sua empresa ficava em outra cidade – ali seria apenas uma filial – e por isso não tinha em mãos a nota fiscal da mercadoria.

Em seguida, o proprietário da empresa de transporte disse que iria até o escritório da empresa em busca da nota fiscal do produto, momento em que deixou o local e não retornou. Ele é investigado.

O comerciante manteve contato telefônico com o proprietário da empresa de transporte e este informou que estava tentando localizar a nota fiscal, mas posteriormente não mais atendeu às ligações.

Em entrevista com os motoristas dos caminhões e com o comerciante, foram informadas versões contraditórias e não comprovaram o real motivo de estarem em Teodoro Sampaio, nem tampouco acerca do descarregamento da carga em local distante do contratado, que era a cidade de Paranaguá (PR).

Os indivíduos, em interrogatórios, autorizaram o acesso ao conteúdo de seus aparelhos celulares.

Os caminhões e semirreboques, bem como a carga de farelo de soja, foram apreendidos e permanecem à disposição da empresa responsável para a retirada, segundo informou a polícia ao G1. Por questão de impossibilidade logística, os veículos permaneceram no local em que estavam, sendo dentro do galpão e um defronte ao imóvel, ambos em terreno particular.

Os proprietários do galpão não foram encontrados.

O galpão permanece devidamente fechado e as chaves do imóvel foram entregues aos cuidados da esposa do comerciante preso.

Desvio

De acordo com a Polícia Civil, a ação delituosa é conhecida como “desvio de carga”.

As cargas de farelo de soja, que totalizaram 74.570 quilos, a granel, foram embarcadas na cidade de Rio Verde (GO), com destino a Paranaguá (PR). As notas fiscais localizadas no interior dos dois caminhões com semirreboques comprovam os fatos.

Os motoristas dos caminhões, ambos moradores de Antônio Prado (RS), foram contratados para o transporte da carga até o Porto Paranaguá. Porém, “atuando em conluio” com o comerciante e outro indivíduo proprietário de uma empresa de transporte – que deixou o local e não voltou – “materializaram o desvio da carga de seu trajeto inicialmente desenhado” para Teodoro Sampaio.

Um dos motoristas alegou que apenas efetuava o descarregamento no galpão para posterior reparo mecânico a ser realizado na cidade de Maringá (PR), de acordo com informações obtidas pelo G1.

Devido às contradições apresentadas, iniciaram-se as investigações preliminares. A Polícia Civil manteve contato com um representante da empresa vítima, que confirmou o Porto Paranaguá como destino da carga, de onde seria exportada. Ainda foi colocado que não havia “nenhuma relação que justificasse sua localização e descarregamento em Teodoro Sampaio”.

Em sequência, em contato com o representante da empresa transportadora que contratou os motoristas para transportar a carga de farelo de soja, este informou que a carga é segurada e afirmou que em momento algum foi cientificado de problemas mecânicos nos caminhões, além de informar que os itinerários comumente utilizados pelos veículos contratados para transporte de cargas até o Porto de Paranaguá não se comunicam com a cidade de Teodoro Sampaio.

Devido às contradições apresentadas, iniciaram-se as investigações preliminares. A Polícia Civil manteve contato com um representante da empresa vítima, que confirmou o Porto Paranaguá como destino da carga, de onde seria exportada. Ainda foi colocado que não havia “nenhuma relação que justificasse sua localização e descarregamento em Teodoro Sampaio”.

Em sequência, em contato com o representante da empresa transportadora que contratou os motoristas para transportar a carga de farelo de soja, este informou que a carga é segurada e afirmou que em momento algum foi cientificado de problemas mecânicos nos caminhões, além de informar que os itinerários comumente utilizados pelos veículos contratados para transporte de cargas até o Porto de Paranaguá não se comunicam com a cidade de Teodoro Sampaio.

O delegado João Paulo Tardin, ciente das versões e demais elementos constatados, decretou a prisão em flagrante por furto duplamente qualificado dos dois motoristas e do indivíduo que recepcionou a carga no galpão.

Acrescentou a corporação que “em análise dos aparelhos celulares dos indiciados foram colhidos diálogos referentes à logística para desvio da carga, desde seu embarque no estado de Goiás”.

“Trata-se de modalidade corriqueiramente utilizada para subtração de cargas valiosas, sendo que posteriormente busca-se o registro de ocorrência noticiando falsamente furto ou roubo, ou ainda havendo a troca da mercadoria por outra com valor mais baixo, visando dificultar a localização da destinação fraudulenta e criminosa dispensada às cargas desviadas”, explicou a Polícia Civil.

Condutas semelhantes foram investigadas pela delegacia de polícia da Teodoro Sampaio que culminou na prisão de diversos indiciados na operação “Desvio Certo”.

As investigações continuam para a identificação do quarto componente do grupo, que permanece foragido, além do desmantelamento de suposto esquema criminoso de desvio de cargas.

A Polícia Civil ainda informou ao G1 que o trio foi removido à Cadeia de Presidente Venceslau e teve a prisão preventiva decretada pela Justiça, em audiência de custódia, nesta segunda-feira (15), em Teodoro Sampaio.

Fonte: G1

Brasil registrou 22 mil roubos de carga em 2018

BRASÍLIA — A ação de quadrilhas especializadas em roubos de cargas resultou, em 2018, no registro de mais de 22 mil ataques a motoristas em todo o país. Um levantamento da Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC) mostra que o prejuízo para o setor produtivo com a perda de cargas e veículos chegou a cerca de R$ 2 bilhões.

O número de ataques a transportadores foi levantado pela entidade a partir do cruzamento de dados da Polícia Civil, da Polícia Militar e da Polícia Rodoviária Federal. O levantamento mostra que as ocorrências vinham aumentando até 2017 (quando o número chegou a 25.950 roubos no país), mas caíram 15% no ano passado.

A intervenção federal na área de segurança do Rio de Janeiro, um dos estados com mais registros desse tipo crime, foi o principal elemento para a queda, segundo a entidade e especialistas em segurança. Ainda assim, os representantes do setor produtivo reclamam da falta de articulação dos governos em torno de um plano nacional de segurança para os transportadores.

— Admitir que tem 22 mil roubos de carga no país é um absurdo — afirma o responsável pelo levantamento, Paulo Roberto de Souza.

O roubo de cargas tornou-se, nos últimos seis anos, um modelo de negócio para quadrilhas de traficantes de drogas e facções criminosas por causa da vulnerabilidade das estradas, das falhas de segurança pública das cidades e do alto valor de retorno das mercadorias. Em 2012, o país registrou 14.400 roubos de carga. Nos anos seguintes, esse número subiria até chegar ao pico, registrado em 2017.
Os produtos mais visados

Os dados coletados pela entidade em 2018 ainda estão sendo totalizados, mas já permitem aos transportadores cobrar ações do governo para reduzir o número de casos. Os números de 2017 mostram que a Região Sudeste desponta como o território mais hostil aos transportadores. Do total de 25.950 ataques no país, 85,53% aconteceram na região. Apenas Rio de Janeiro (40,81%) e São Paulo (40,75%) concentraram mais de 80% dos crimes.

Segundo o relatório, os produtos mais visados pelas quadrilhas — em maioria vinculadas ao tráfico de drogas —, são cigarros, eletrônicos, combustíveis, bebidas, autopeças e artigos alimentícios ou farmacêuticos.

Cerca de 78% dos roubos de cargas registrados no levantamento da PRF ocorrem em áreas urbanas. Os ataques em rodovias representam 22% do total. No caso dos crimes nas cidades, a maioria dos ataques ocorre pela manhã, enquanto, nas rodovias, o maior volume de roubos é registrado no período da noite.

Para o representante da NTC, a presença mais intensa de traficantes e de integrantes de facções criminosas nesses estados favorece o volume de ações contra transportadores.

— Por que o Sudeste concentra mais de 80% dos roubos, principalmente em áreas urbanas? Eu te respondo com outra pergunta: Onde a marginalidade opera? Onde circula o patrimônio. Rio e São Paulo são grandes polos econômicos. A circulação de cargas é intensa. E os bandidos vão aonde acham que vão ter êxito. As rodovias por onde circulam uma massa de veículos são atrativas para esses criminosos — diz Souza.

Na avaliação dos representantes do setor de cargas, o avanço da criminalidade nas estradas encarece o preço do frete, e a empresas passam a usar o transporte aeroviário em busca de mais segurança. Outro fator que influencia no frete, o custo do seguro das cargas, disparou. As empresas de transporte recorrem com mais frequência à escolta armada para proteger as mercadorias. Gerente-executivo de Pesquisas da CNI, Renato da Fonseca afirma que é o consumidor que acaba pagando a conta:

— O consumidor está pagando mais caro, porque tem uma taxa embutida para conter o risco. Não é só o custo da perda do roubo. Existe todo uma cadeia que fica mais cara para tentar prevenir esse tipo de ação.

O setor espera que o governo do presidente Jair Bolsonaro coloque para andar o plano nacional de segurança pública aprovado no governo do ex-presidente Michel Temer.

Apesar das críticas, a PRF e o Ministério da Justiça dizem que ampliaram ações de inteligência para prender criminosos e evitar roubos de cargas. O resultado desse trabalho seria a redução registrada no levantamento preliminar de 2018.

Fonte: O GLOBO

(RJ) Motorista de caminhão é feito refém durante tentativa de roubo de carga em Manguinhos

O motorista de um caminhão que transportava eletrodomésticos foi feito refém durante uma tentativa de roubo de carga na comunidade de Manguinhos, na Zona Norte do Rio.

A ação aconteceu por volta das 6h25 desta sexta-feira (12). Minutos depois do flagrante, o bloqueador do caminhão foi acionado. Os criminosos liberaram o veículo e o motorista.

Nas imagens feitas pelo Globocop, é possível ver ao menos três suspeitos cercando o veículo na Avenida Leopoldo Bulhões.

Após ser liberado pelos suspeitos, o motorista dirigiu o caminhão em direção a Bonsucesso e parou pouco antes do viaduto da Linha Amarela. Em seguida, uma viatura da Polícia Militar foi na contramão ao encontro do veículo.

Às 6h50, um carro blindado e um helicóptero da Polícia Civil faziam uma ação na comunidade.

Fonte: G1

Inflação acelera para 0,75% em março, maior taxa para o mês desde 2015

Economia e Estatística, Notícias
Inflação acelera para 0,75% em março, maior taxa para

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, ficou em 0,75% em março, acima dos 0,43% de fevereiro, pressionado principalmente pela alta dos preços de alimentos e combustíveis, segundo divulgou nesta quarta-feira (10) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Trata-se da 4ª alta seguida e maior taxa para um mês de março desde março de 2015, quando o índice foi de 1,32%. Nos três primeiros meses de 2019, a inflação se situou em 1,51%.

Com o resultado de março, o índice acumulado em 12 meses avançou para 4,58%, acima da meta central de inflação do governo para 2019, que é de 4,25%, e maior índice para o período de 12 meses desde fevereiro de 2017 (4,76%).

É a primeira desde outubro do ano passado que a inflação no acumulado em 12 meses supera o centro da meta oficial.

Alimentos e combustíveis puxam alta
“O resultado do IPCA de março sofreu forte influência dos grupos alimentação e bebidas (1,37%) e transportes (1,44%). Juntos, estes dois grupos, que representam cerca de 43% das despesas das famílias, responderam por 80% do índice do mês, com impactos de 0,34 e 0,26 pontos percentuais (p.p), respectivamente”, destacou o IBGE.

Individualmente, o maior impacto no índice, partiu da gasolina, que teve variação de 2,88%, respondendo por 0,12 p.p. do indicador mensal. Já o etanol subiu 7,02%, mas respondeu por apenas 0,06 p.p. do índice geral, destacou o gerente da pesquisa, Fernando Gonçalves.

Outro item que sofreu alta significativa em março foi a passagem aérea, cuja variação foi de 7,29%. O pesquisador ponderou, no entanto, que essa alta veio após uma queda de 16,65% observada em fevereiro.

Na alimentação, os principais vilões da inflação em março foram o tomate, cujos preços médios tiveram alta de 31,84% no mês na comparação com fevereiro, seguido da batata-inglesa, com alta de 21,11%, e dos feijões carioca e preto, que aumentaram, respectivamente, em 12,93% e 12,55%. Já as frutas subiram 4,26%.

As despesas relacionadas ao carnaval também exerceram influência sobre a inflação em março, ainda que com menor impacto. Gonçalves destacou dois itens cujas altas podem ser atribuídas ao feriado: hotéis (1,81%) e excursões (1,48%).

Fonte:G1

Detran.SP fecha três desmanches clandestinos em São José dos Campos

O Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran.SP) lacrou três desmanches clandestinos nesta quinta (11) e sexta-feira (12), em São José dos Campos, durante Operação Integrada com as polícias Militar, Civil, Ambiental, Rodoviária; Polícia Rodoviária Federal; Guarda Civil Municipal e Prefeitura.

Os desmanches lacrados não tinham autorização do Detran.SP para funcionamento. Ao todo, foram fiscalizados seis estabelecimentos nas zonas leste e sul de São José dos Campos. Os proprietários dos desmanches clandestinos podem responder criminalmente e por danos ao ambiente pela atividade ilegal.

A lei do desmonte está em vigor desde janeiro de 2014 no Estado. O principal objetivo é evitar o roubo e furto de veículos, e a venda ilegal de peças. O cidadão pode participar da fiscalização denunciando desmanches clandestinos à Ouvidoria do Detran.SP pelo portal www.detran.sp.gov.br, na área de “Atendimento”.

Controle na palma da mão
Nos desmanches credenciados e regulares, as principais peças automotivas recebem uma etiqueta com número único de série e código QR-Code e são cadastradas no sistema online do Detran.SP pelas empresas. O consumidor pode consultar a procedência da peça e ter a garantia de comprar apenas itens de origem legal.

A pesquisa pode ser feita por meio do aplicativo de serviços do Detran.SP para tablets e smartphones ou qualquer outro aplicativo com leitor de CR-Code. A consulta também pode ser feita por meio do portal www.detran.sp.gov.br na área “Parceiros”, opção “Desmontes”.

A pesquisa exibe o tipo, a marca, o modelo e o ano do veículo ao qual a peça pertencia, além de identificar qual a empresa desmontadora e comercializadora do produto. Quando existem registros fotográficos do veículo, as imagens ficam disponíveis para visualização.

Lei de desmonte
Sancionada em janeiro de 2014 e em vigor desde 1º de julho do mesmo ano, a lei estadual n° 15.276 é pioneira na regulamentação dos desmontes e serviu de referência para a criação da lei federal nº 12.977/2015, em vigor desde maio de 2015.

Para atuar no ramo e participar de leilões para adquirir veículos destinados a desmonte para comércio ou reciclagem das peças usadas, a legislação exige o credenciamento das empresas no Detran.SP, entre outros requisitos. Os principais objetivos são inibir o furto e o roubo de veículos, assegurar que empresas idôneas continuem atuando no mercado e garantir a legalidade do produto que chegará ao consumidor final.

Fonte: Detra

PGR defende tabelamento do frete em parecer ao Supremo

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou parecer ao Supremo Tribunal Federal (STF) favorável à constitucionalidade do tabelamento de frete rodoviário. O documento foi assinado no dia 5 de fevereiro e a informação foi divulgada nesta segunda-feira (8).

No entendimento da PGR, a lei que criou o tabelamento busca assegurar a prática justa do preço no setor de transporte de cargas. “A definição de preço mínimo do serviço atende à proporcionalidade em sentido estrito, uma vez que contribui para a preservação do valor do frete em consonância com os custos despendidos, provendo para o respeito à dignidade humana e à valorização do trabalho, em detrimento da suposta liberdade para contratar serviços abaixo do preço de custo”, diz o parecer.

Em fevereiro, o ministro Luiz Fux, relator de três ações diretas de inconstitucionalidade (ADI) contra o tabelamento, confirmou, de forma liminar (provisória), a validade da tabela e liberou a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para aplicar multas contra o descumprimento da norma. A data do julgamento definitivo do caso ainda não foi definida.

A tabela de preços mínimos de frete foi instituída pela Medida Provisória 832/2018, convertida na Lei 13.703/2018, e pela Resolução 5.820/2018, da ANTT, que regulamentou a medida, após a greve dos caminhoneiros deflagrada em maio do ano passado.

Os empresários do setor alegam que a tabela fere os princípios constitucionais da livre concorrência e da livre iniciativa, sendo uma interferência indevida do governo na atividade econômica.

Os caminhoneiros argumentam que há uma distorção no mercado e que, sem a tabela, não têm condições de cobrir os custos do serviço que prestam e ainda extrair renda suficiente para o próprio sustento.

Fonte: Agência Brasil

Suspeito de roubo de carga é baleado após perseguição em Praia Grande, SP

Um homem foi baleado, na manhã desta quarta-feira (3), após roubar, com dois comparsas, uma carga de cigarros de um caminhão em Mongaguá, no litoral de São Paulo. De acordo com informações da Polícia Militar, ele ficou ferido no ombro e os dois comparsas dele foram presos.

Segundo a PM, os três suspeitos roubaram a carga de um caminhão em Mongaguá e fugiram em um carro em direção a Praia Grande. Ainda de acordo com os policiais, a equipe da PM de Mongaguá avisou aos militares das outras cidades sobre a ocorrência.

Os policiais que estavam fazendo patrulha no bairro Solemar, em Praia Grande, localizaram o carro com os suspeitos. Eles avistaram as viaturas policiais e tentaram fugir. Porém, a PM conseguiu perseguir os criminosos até a direção da Escola Estadual Julio Secco, localizada na rua Amelletto Franceschelli.

Os ocupantes do veículo foram cercados e saíram do carro. Eles fizeram uma menção de sacar a uma arma e, rapidamente, os policiais atiraram. Um dos suspeitos foi baleado no ombro. O casal de criminosos, que também estava dentro do carro, foi preso. Depois de receber atendimento médico, o suspeito baleado também foi para a cadeia. O caso foi registrado no 2º DP de Praia Grande.

Fonte: G1

Polícia prende chefes de quadrilha que planejava roubo de carga em SP

Uma operação da Polícia Civil paulista prendeu, na manhã desta terça-feira (9), quatro suspeitos de integrarem uma quadrilha de roubo de cargas principalmente em São Paulo e Minas Gerais.

Segundo o delegado Alberto Pereira Júnior, da Divecar (Divisão de Investigação sobre Roubos e Furtos de Veículos e Cargas), a polícia soube que a quadrilha iria realizar um assalto nesta terça-feira, na região de Osasco (Grande São Paulo).

Para evitar confrontos, ficou decidido, após reunião nesta segunda-feira (8), que os policiais civis iriam prender os líderes da quadrilha antes de a ação criminosa ser realizada. De acordo com Pereira, a operação terminou com um “resultado maravilhoso”.

Na última quinta-feira (4), uma ação do setor de inteligência da Polícia Militar em Guararema (Grande São Paulo) terminou com 11 supostos assaltantes mortos. No ocasião, a PM disse que também tinha informações de que a quadrilha agiria na área.

O delegado afirma que a quadrilha conta com dezenas de integrantes, são especialistas em roubo de eletroeletrônicos e vão para o crime com armamentos de grosso calibre, preparados para o confronto.

Conforme as investigações, que duram três meses, o grupo foi responsável por um latrocínio que vitimou um sargento da Polícia Militar de Minas Gerais em dezembro do ano passado. A televisão roubada do policial foi recuperada.

As investigações ainda apontam que os quadrilha também tinha integrantes infiltrados em empresas. De acordo com o delegado Eduardo Castanheira, da 3ª Divecar, um dos presos é cadastrado como motorista em um centro de distribuição de produtos eletrônicos. Ele teria a função de passar informações privilegiadas para a realização de assaltos.

Para o delegado Pereira, o que estimulava que a quadrilha continuasse atuando são “as pessoas que as olhos da sociedade são comerciantes bem-sucedidos”. Estes receptadores, segundo ele, são “grandes criminosos” com poder para comprar R$ 1 milhão em produtos.

Além dos quatro presos, a Polícia Civil cumpriu 13 mandados de busca e apreensão em 13 endereços que devem auxiliar nas investigações.

Fonte: R7

Relatório de Inteligência: greve PM Amazonas

A Polícia Militar e os Bombeiros do estados do Amazonas podem entrar em greve a partir deste sábado, 06 de abril, após uma assembleia da categoria. Entre as reivindicações, está o pagamento da segunda parcela da reposição de perdas dos salários, um reajuste de 10,67%.

A Polícia Militar tem previsto um efetivo de 14.151 homens e conta no momento com apenas 9.195
policiais (65%), sendo que 7.000 se concentram na capital (Manaus) e em torno de 2.500 em todo o
interior do estado.

Confira na íntegra o Relatório de Inteligência – Greve PM Amazonas 002-2019.