Grupos envolvidos com roubo de carga e tráfico de drogas são alvos de operações do Gaeco no Centro-Oeste de MG

Duas operações foram deflagradas na manhã desta quinta-feira (6) pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), de Divinópolis, chefiado pelo Ministério Público, contra grupos ligados a roubo de carga e tráfico de drogas no Centro-Oeste de Minas.

As operações, batizadas de “Covil dos Ladrões” e “Delivery” têm apoio das polícias Militar (PM), Civil e Rodoviária Federal (PRF).

Prisões e apreensões

De acordo com a PM, até às 9h30, 26 pessoas foram detidas durante cumprimento de mandados de prisão. Sete pessoas também foram presas em flagrante.

As operações ainda apreenderam R$ 45 mil em dinheiro, R$ 150 mil em cheques, aproximadamente 450 papelotes de cocaína, uma barra de cocaína de aproximadamente 500 gramas, um tablete de maconha e 27 veículos, além de produtos com indícios terem sido fruto de roubo de carga, rádio, notebook, calçados, cartões de crédito, celulares, tokens e centenas de calçados.

Quatro casas, dois sítios e seis contas bancárias foram objetos de sequestro de bens.

Estão sendo cumpridos mandados de prisão e apreensão em Nova Serrana, Bom Despacho, Pitangui, Santo Antônio do Monte, Lagoa da Prata e Divinópolis. Ao todo, 191 policiais e 49 viaturas participam das operações.

Segundo a 3ª Promotoria de Justiça de Nova Serrana, as investigações tiveram início em 2017, com a apuração de roubos de cargas ocorridos em rodovias que cortam a cidade.

Durante os trabalhos, com o apoio do Departamento de Operações Especiais da Polícia Civil (Deoesp), descobriu-se que grande parte dos autores era coordenada por um preso que cumpre pena na Penitenciária Nelson Hungria e que os roubos não se restringiam cidade de Nova Serrana.

A partir de então foi solicitado o apoio do Gaeco de Divinópolis e, com as diligências realizadas por agentes das Polícias Militar, Civil e Rodoviária Federal, foi possível constatar que, além dos suspeitos de roubo de cargas, havia outras pessoas que se dedicavam ao tráfico de drogas.

A operação “Covil de Ladrões” recebeu esse nome por referência à escolha dos investigados de uma mesma região como local de atuação.

Já a operação “Delivery” recebeu esse nome devido a um esquema de entrega de drogas a domicílio na região.

‘Delivery’

Segundo a PM, foram expedidos 20 mandados de busca e apreensão e sete mandados de prisão preventiva na operação. As investigações apontam que traficantes realizavam a entrega domiciliar de drogas.

Ainda de acordo com a polícia, os entregadores investigados no esquema utilizam mochilas próprias para a entrega de lanches para chamar menos atenção.

‘Covil de Ladrões’

Já na operação “Covil de Ladrões”, foram expedidos 24 mandados de prisão preventiva, 22 mandados de busca e apreensão e recuperação de veículos utilizados no esquema.

Conforme a PM, a operação visa neutralizar uma quadrilha especializada em roubos de carga, especialmente na BR-262.

Fonte: G1

Vendas de caminhões sobem 49% no ano

As vendas de caminhões até novembro subiram 49%: foram 68,4 mil unidades em 2018 e 45,9 mil no ano passado. Somente em novembro 7,7 mil unidades foram vendidas, o que representa alta de 40,3% frente as 5,5 mil de novembro de 2017 e diminuição de 2,7% ante as 7,9 mil de outubro. Os números são da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), divulgados no dia 6 de dezembro.

Em novembro 10 mil caminhões foram fabricados, aumento de 22,3% contra as 8,2 mil de novembro do ano passado e recuo de 8% na análise com as 10,9 mil de outubro. A produção no acumulado do ano apresentou elevação de 29,7% quando comparadas as 98,1 mil de unidades deste ano com as 75,6 mil de 2017.

As exportações de caminhões caíram 9,8% no acumulado do ano, com 23,5 mil unidades em 2018 e 26,1 mil do ano anterior. Somente no penúltimo mês deste ano 1,3 mil unidades deixaram as fronteiras brasileiras, o que significa baixa de 23,9% frente as 1,7 mil de outubro e de 42,7% com relação as 2,3 mil de novembro de 2017.

O licenciamento de ônibus no acumulado foi de 13,6 mil unidades, expansão de 29,3% ante as 10,5 mil do ano passado. As vendas em novembro foram menores em 13,1% com 1,5 mil unidades no mês e 1,7 mil em outubro. Na análise contra as 1,1 mil de novembro de 2017, a elevação é de 34,2%. A produção ficou 10% inferior – foram 2,1 mil unidades em novembro e 2,3 mil em outubro. Ao defrontar o resultado com novembro do ano passado, quando foram produzidos 1,7 mil chassis para ônibus, houve alta de 24,9%. No acumulado o crescimento é de 42%: 27,4 mil este ano e 19,3 mil em 2017. Até novembro 8,2 mil ônibus foram exportados, o que representa queda de 0,8% se comparado com as 8,3 mil de igual período do ano passado.

Máquinas agrícolas e rodoviárias

As vendas no segmento de máquinas agrícolas e rodoviárias em novembro ficaram menores em 25,5% em relação a outubro, com 3,8 mil e 5,0 mil unidades respectivamente. No comparativo contra novembro do ano passado, com 2,9 mil unidades, foi registrado crescimento de 27,5%. No acumulado o aumento das vendas chegou a 11,9%, com 43,4 mil este ano e 38,8 mil no ano passado. A produção no acumulado deste ano subiu 19,4% com 60,2 mil em 2018 e 50,4 mil no ano passado.

Em novembro 6,6 mil unidades foram fabricadas, o que representa decréscimo de 11,1% ante outubro com 7,4 mil e elevação de 73,3% contra novembro do ano passado com 3,8 mil unidades. As exportações de máquinas agrícolas e rodoviárias até novembro somam 11,8 mil unidades, baixa de 6,7% em relação as 12,7 mil do ano passado. Com informações Anfavea.

Fonte:FETCESP

Uso de blockchain na Logística dá mais segurança à linha de produção

O blockchain promete uma série de avanços na cadeia de suprimentos, dando mais eficiência, visibilidade e transparência às operações. A tecnologia, que inicialmente era usada apenas para transações com bitcoins, funciona como uma base de dados distribuída, em que os blocos de informações vão se conectando e formando um contexto mais completo, seguro e rastreável.

Dados divulgados em setembro deste ano pelo IDC apontaram que, até o final de 2018, devem ser gastos US$ 2,1 bilhões no desenvolvimento de produtos e serviços utilizando o blockchain. No Brasil, as empresas ainda estão dando os primeiros passos nessa tecnologia, já que, segundo o levantamento feito pela consultoria, de 4,2 mil startups, apenas nove estão aplicando blockchain nos negócios. O país ocupa a 11ª posição no uso de blockchain.

Na Logística, o blockchain permite que todos os produtos tenham sua jornada rastreada em todos os momentos da cadeia de produção. Diante deste cenário, a implementação de tecnologias de blockchain podem ajudar as empresas a registrarem preços, datas, localização, qualidade, conformidade e outros dados relevantes para gerenciar com eficiência a cadeia de suprimentos.

Com isso, é possível garantir a qualidade final dos itens, fortalecendo a imagem corporativa ao garantir a confiabilidade dos insumos usados na fabricação e a segurança na entrega, aumentar a visibilidade, a transparência e a conformidade de todos os contratos e processos, aumentando a credibilidade e a confiança pública nos dados compartilhados, reduzir gastos com papelada e custos administrativos, e aumentar o engajamento entre todas as partes envolvidas, desde a produção até o cliente final.

Confiabilidade na linha de produção

Sem transparência, segurança e rastreabilidade, seja em cadeias de suprimentos globais ou locais, é extremamente complicado identificar se existe alguma fraude ou prática ilícita nas linhas de produção. A tecnologia blockchain na área de logística permite verificar a origem e a autenticidade dos suprimentos que fazem parte de cada etapa da cadeia, garantindo a qualidade do produto final. Contratos inteligentes, que passam a ser um dos blocos da cadeia, definem as regras sobre as transações e automatizam as interações entre as partes.

Na fabricação de aviões, por exemplo, o blockchain pode facilitar a garantia da qualidade dos suprimentos. Na transação de peças que vão ser usadas na montagem da aeronave, contratos inteligentes podem rastrear a procedência de cada peça conforme sua integração aos processos logísticos.

Seu trajeto desde a sua linha de produção até o local onde vai ser usada na montagem é longo: a peça sai da fábrica em um caminhão contêiner que é descarregado no armazém em um determinado porto. Dali, esse contêiner é enviado ao porto de destino, onde é carregado em um caminhão, entregue na distribuidora e, então, encaminhado ao seu destino – o pátio da empresa fabricante.

Como o blockchain funciona como um bloco de informações, onde todos os processos e transações formam um histórico único e criptografado de ponta a ponta, e com a inserção de contratos inteligentes nessa cadeia, é possível garantir a integridade dos processos e ter certeza de que a peça que chegou ao pátio de montagem é a legítima.

Um contrato inteligente funciona como se fosse um contrato normal firmado entre duas partes, com a diferença de que ele é digital, não pode ser perdido ou adulterado, e é executável. Com isso, é possível garantir a execução de acordo automatizado, eliminando intermediários e, consequentemente, gerando menos burocracia e mais agilidade.

Na saída da fábrica, é gravado um número de rastreamento, que é digitalizado e se torna a primeira entrada no blockchain. A partir daí todas as etapas da logística passam a monitoradas, independentemente do número de fornecedores e transportadores que manipulem o item.

Com isso, a tendência é que os processos logísticos se tornem cada vez mais automatizados e integrados à toda a cadeia produtiva, garantindo mais segurança e qualidade à linha de produção, evitando riscos e reduzindo custos.

Fonte: CargoNews

PM impede roubo de cargas na Zona Norte

A Polícia impediu o roubo de uma carga de roupas avaliada em mais de R$119 mil graças a informações repassadas ao Disque Denúncia.

De acordo com o orgão, o caminhão seria encaminhado, pelos criminosos, para o interior da Comunidade Bin Laden, no Complexo da Pedreira, na Zona Norte do Rio, na manhã desta quinta-feira (29).

Durante a ação, policiais do batalhão de irajá interceptaram um veículo que era conduzido por dois criminosos, que conseguiram furgir.

A população pode realizar novas denúncias pelo telefone 2253-1177. O anonimato é garantido.

Fonte: Band Uol

Polícia prende 41 pessoas em duas operações contra quadrilha de presidiários

Em São Paulo, a polícia prendeu 41 pessoas em duas operações contra uma quadrilha de presidiários que comanda o crime organizado dentro e fora das cadeias.

Foram oito meses de interceptações telefônicas e diligências em busca de provas. Nesta quinta-feira (29), os policiais do Departamento de Repressão ao Narcotráfico conseguiram prender 35 pessoas. Entre elas, o homem considerado o “arquivo” da facção criminosa: Gilberto Ferreira, o Beto, seria responsável pela lista de integrantes, dos novatos até aqueles que tinham dívidas com a quadrilha. Com ele, foram encontrados cadernos e pen drives.

“Ele repassava essas informações aos superiores dele. Essa informação que a gente está tentando obter dele agora”, afirma o delegado Carlos Batista.

A polícia diz que Gilberto Ferreira também era traficante e fornecia crack e cocaína para a região da Cracolândia, no Centro de São Paulo, junto com outros grupos que atuam na Zona Leste de São Paulo e em municípios da Região Metropolitana. Todos foram identificados e presos.

Segundo a polícia, com os documentos apreendidos nesta quinta, será possível montar o cronograma de toda a estrutura da facção no Brasil, incluindo os principais chefes. “Hoje nós temos aqui identificados todos os membros dessa facção criminosa. Toda a liderança a nível nacional dessa facção criminosa. Milhares de nomes. Não posso falar se são mil, dois ou três mil, mas é uma grande quantidade”, diz o delegado Alberto Pereira Matheus Jr.

Numa outra operação desta quinta, seis integrantes da mesma facção foram presos por roubo de carga e tráfico de drogas na Zona Norte de São Paulo. Foram apreendidas armas, munição, balanças e máquinas para embalar entorpecentes e meia tonelada de drogas. A cocaína era vendida em bisnagas.

A polícia afirma que José Rocha de Moraes comandava a quadrilha e o dinheiro do tráfico abastecia os cofres da organização criminosa. “Nós vamos continuar, vamos fazer a lavagem de dinheiro. Porque não adianta parar no tráfico e não quebrar o poder financeiro da quadrilha. Então, vamos identificar os bens que cada um possui, pedir o bloqueio desses bens, ver como adquiriram, fazer origem da lavagem de dinheiro e dar continuidade às investigações”, fala o delegado Carlos Alberto da Cunha.

Fonte: Jornal Nacional

Homem é preso suspeito de clonagem de veículo e roubo de carga

Um homem identificado como Cláudio Luiz Ribeiro de Queiroz, 41 anos, foi preso suspeito de clonagem de veículo e roubo de carga no bairro dos Bancários, Zona Sul de João Pessoa, na noite de quinta-feira (29). De acordo com a polícia, o suspeito já cumpriu dois anos e meio de prisão e responde por outros crimes, incluindo receptação.

A Polícia Militar chegou até o veículo após indicação do serviço de inteligência e perceberam que o carro apresentava modificações nos números do chassi e placa. O carro foi roubado após ser alugado e nunca devolvido. Durante a abordagem o suspeito confessou a clonagem do veículo. Mercadorias dentre produtos de beleza e higiene pessoal foram apreendidas com o homem que foi preso e encaminhado à Central de Polícia, no bairro do Geisel.

Fonte: OP9

Acusado de tentar matar PMs durante abordagem após roubo de carga enfrenta júri popular, em Goiânia

Acusado de tentar matar dois policiais militares, Bruno Ferreira Ribeiro enfrenta, nesta terça-feira (27), júri popular, em Goiânia. Segundo a denúncia, ele havia roubado um caminhão carregado de cigarros e disparou contra os agentes Clerisson Gil Ribeiro Borges e José Dantas de Souza ao ser abordado. O pai dele, Valteir Ferreira dos Reis, já foi julgado e condenado pelo crime. Outros dois comparsas morreram na ação.

Presidido pelo juiz Jesseir Coelho de Alcântara, o júri começou às 9h. O advogado do réu, Lucas Mazur de Melo, disse que o cliente é inocente e que sequer estava no local no momento do crime.

“Vamos trabalhar pela absolvição por negativa de autoria. Em seguida, desqualificar a tentativa de homicídio para lesão corporal grave. Ele alega que no momento do crime estava trabalhando em Anápolis”, disse.

Já o promotor de Justiça Aguinaldo Tocantins afirma que o conjunto de provas comprova a participação de Bruno. “Vou pedir a condenação. Temos várias provas, como por exemplo a apreensão das armas usadas pelos suspeitos e o exame de corpo de delito feito no Bruno, que foi baleado”, pontua.

Roubo de carga

Após o roubo da carga, os militares foram acionados e informados de que os criminosos tiveram o apoio de uma Fiat Strada para fugir. Durante patrulhamento, os policiais localizaram o veículo parado próximo ao caminhão, no Setor Santa Genoveva. Ao se aproximarem para abordar os envolvidos, conforme a denúncia do Ministério Público, eles foram recebidos a tiros.

De acordo com a investigação, os militares revidaram e iniciou um tiroteio. Clerisson foi alvejado na boca e no abdômen. Ele foi socorrido por José e levado ao hospital, onde chegou a passar alguns dias na Unidade de Terapia Intensiva, mas se recuperou e ficou sem sequelas.

Durante o tiroteio, conforme a denúncia, Bruno e os comparsas Atenilson França Barola e Reginaldo Evangelista de Andrade Júnior entraram no carro com Valteir e fugiram.

Reginaldo morreu horas depois e foi deixado em um lote baldio. Já Atenilson chegou a ficar internado no hospital, mas morreu seis dias após o tiroteio.

Bruno sobreviveu e foi preso deias depois. Desde então, ele está detido no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. O pai dele, Valteir, já foi julgado e condenado a 6 anos pelo crime.

Pesadelos

Clerisson foi arrolado como testemunha, mas não compareceu. Já José esteve no Fórum para ser interrogado. Apesar de não ter sequelas físicas, ele conta que, passados mais de cinco anos do crime, ainda tem pesadelos com a cena.

“Eles já meteram bala, foi a queima roupa, estavam a uns dois metros de distância da gente. Eu tive problema com isso por várias vezes sonhar com o que ocorreu. Eu acordava e depois não conseguia mais dormir”, afirmou.

Segundo José, ambos seguem na corporação. Atualmente, eles são sargentos.

Fonte: G1

Polícia Militar vai agir com mais rigor na Paraíba durante o mês de dezembro

No sentido de reforçar a segurança da população durante o período natalino objetivando dar mais proteção a trabalhadores e comerciantes, justamente no mês de pagamento do 13º salário, a Polícia Militar da Paraíba vai agir de forma ostensiva no Centro e demais bairros da capital a partir de dezembro.

O mesmo esquema de segurança para o período natalino também será lançado nos principais municípios da Paraíba. A polícia também recomenda algumas mudanças de comportamento durante o período.

O objetivo é dar continuidade a redução dos indicadores criminais, especialmente dos delitos com motivação econômica, como os latrocínios, roubos de carga, roubos de veículos e outros roubos. A PMPB aposta na presença ostensiva para melhorar a sensação de segurança das pessoas e inibir a prática de crimes.

Segundo o presidente do Sindicato dos Bancários da Paraíba, Marcelo Alves, no mês de dezembro, os bandidos costumam ficar de olho no 13º salário dos trabalhadores. Portanto todos devem ficar atentos as dicas de saques de dinheiro.

“De 2012 até o início deste mês, foram registrados 44 assaltos conhecidos como saidinhas de banco. Para evitar esse tipo de roubo, o trabalhador deve primeiramente sacar menos dinheiro possível, e ao sacar, deve evitar contar o dinheiro na frente das pessoas que estão nas filas dos caixas eletrônicos”, orientou Marcelo Alves, complementando que para evitar assaltos as pessoas devem realizar mais os pagamentos das dívidas através do cartão débito, para evitar levar muito dinheiro na carteira.

Fonte: Diario Oficial

Perseguição termina em tiroteio na saída da Linha Amarela

Rio – Policiais militares do 3º BPM entraram em perseguição seguida de tiroteio na saída da Linha Amarela na manhã desta quarta-feira, em Inhaúma, na Zona Norte do Rio. A ação foi durante uma operação contra os crimes de roubo de cargas na região.

Os PMs contaram com informações do serviço de inteligência da unidade para realizar a operação, que tinha como objetivo prender criminosos que roubavam carga na região. Ao tentarem abordar um veículo suspeito em Inhaúma, os policiais foram recebidos com tiros dos suspeitos que ignoraram a ordem de parada. Porém logo realizaram um cerco e o carro dos criminosos colidiu na altura da saída 08 da Linha Amarela.

No local, dois criminosos foram presos e com eles foram apreendidos uma pistola, dois carregadores, munições e o veículo roubado usado na fuga foi recuperado. Um dos criminosos conseguiu fugir. A ocorrência foi encaminhada à Central de Garantias Norte.

 

Fonte: TV Globo

Prefeitura pretende vistoriar todos os viadutos de S. Paulo

O prefeito Bruno Covas (PSDB) disse que vai enviar ofício ao Tribunal de Contas do Município (TCM) para a contratar, de forma emergencial, uma empresa que faça os laudos estruturais de todos os 185 viadutos e pontes da capital.

Covas pretende obter análises mais completas sobre a situação de todas as estruturas da cidade, não somente das 33 pontes em estado crítico. O viaduto que cedeu na última quinta-feira (15) não fazia parte da licitação inicial.

“A vistoria visual é incompleta, é insuficiente. Desde o ano passado, já tínhamos visto que é insuficiente e, por isso, havíamos passado por esse processo de contratação de um laudo mais estruturante para 33 pontes e viadutos. Se o TCM autorizar, vamos fazer nos 185 viadutos e pontes”, explicou.

A decisão foi anunciada durante a primeira reunião presencial do Comitê de Crise, que aconteceu na manhã desta segunda-feira (19). O grupo de trabalho é formado pelo prefeito e pelos secretários de Infraestrutura e Obras, Vitor Aly, de Mobilidade e Transportes, João Octaviano Neto, das Prefeituras Regionais, Marco Penido, e Especial de Comunicação, Marco Antonio Sabino de Souza.

Bruno Covas comentou que, assim que dez estacas-prova forem construídas para analisar em que profundidade há solo fixo na região, o processo de macaqueamento poderá começar. Engenheiros pretendem utilizar macacos hidráulicos para reerguer o viaduto. Até o fechamento da matéria, a Prefeitura confirmou a construção de duas estacas.

Além do escoramento total da estrutura, os engenheiros fizeram uma espécie de janela para dar acesso a parte interna do viaduto e avaliá-lo melhor. De acordo com Vitor Aly, a janela tem 70 centímetros por 70 centímetros e foi aberta no chão da estrutura.

A administração municipal ainda não sabe informar o que fez a estrutura ceder nem quanto tempo será necessário para reformá-lo. Somente será possível fazer uma análise mais profunda sobre o acidente quando ela for estabilizada.

Vistoria

Uma equipe de técnicos da Prefeitura fez mais uma vistoria na segunda-feira (19), porque a administração não tem o projeto da obra e, dessa forma, não é possível saber as especificações do viaduto. Sabem apenas que a estrutura foi construída no final da década de 1970 pelo governo estadual.

O documento provavelmente estava na Fepasa, extinta companhia ferroviária que administrava os trens de São Paulo, mas a instituição sofreu um incêndio há alguns anos.

A Prefeitura está procurando o projeto com os depositários dos ativos do Estado, além do Departamento de Estradas de Rodagem. A CBPO, empreiteira que executou a obra na época, também já foi acionada.

Caso a documentação não seja encontrada, Aly afirmou que será utilizada uma tecnologia para a retroanálise da estrutura. “É um tempo a mais que eu perco, mas não vai prejudicar em nada”, comentou.

Mobilidade

Segunda-feira foi o primeiro dia útil de circulação dos trens da Linha 9-Esmeralda da CPTM que passam por baixo do viaduto que cedeu. Os veículos circularam com velocidade reduzida para não desestabilizar a estrutura.

No entanto, 20 quilômetros da pista expressa continuam bloqueados, desde a ponte Transamérica, na Zona Sul.

De acordo com o secretário João Octaviano Neto, a interdição é necessária para evitar o “efeito funil”, que deixa os veículos represados na expressa.

Para melhorar a condição de acesso à pista local e dar também mais fluidez para o trânsito, a Secretaria de Mobilidade e Transportes deu início, neste domingo (18), a uma série de dez intervenções na Marginal.

O prefeito acredita que a ampliação dos acessos “vai permitir, ao final de mais ou menos 20 dias, a gente liberar mais trechos da Marginal expressa, enquanto dura todo o processo no viaduto”.

O rodízio municipal de veículos entre a Avenida dos Bandeirantes e a Ponte dos Remédios, sentido Castelo Branco, está suspenso a partir de hoje (21). Segundo nota à imprensa da Prefeitura, “nesse trecho, o motorista poderá circular e não será multado. Já fora desse perímetro, será penalizado”.

 

Fonte: DCI